>>Michel Greenwood

Eu cresci em um bom lar cristão. Meus pais realmente conheciam o Senhor. Claro, nós tivemos lutas como todo mundo, mas eu era amado e cuidado. Eu gostava da minha vida infantil, coisas como caratê, jogar videogame com os amigos a noite toda e ler romances de fantasia no ônibus. Lembro-me de ficar na fila por horas para assistir a primeira exibição de Star War – todas as três vezes 🙂 Acho que ser “normal” tornou muito mais difícil admitir para mim mesmo que era um pedófilo.

É muito difícil para os jovens quando descobrem que têm uma atração menor. A descoberta geralmente acontece de forma isolada. Ninguém diz aos pais ou às pessoas em quem confia: “Acho que estou começando a ter sentimentos por crianças”. Quando contei aos outros, já havia passado pelos estágios de choque, horror e aceitação implacável. Eu gostaria que houvesse mais conscientização e apoio disponível para os jovens que estão passando por isso.

mais

O problema da pedofilia / hebefilia (atração por menores) é que ela brilha na sua cara. Se você tem essa condição, não há como ignorá-la. Você simplesmente tem sentimentos de atração sexual / romântica por menores que você sabe que “deveriam” ser por pessoas da mesma idade. Não há como contornar isso também. Você nasce com isso, desenvolve-o ou ambos. Seja qual for a causa, parece que está programado em seu cérebro. Você sente a atração independentemente da escolha. Felizmente para mim, tenho uma atração secundária por mulheres adultas. Acho que fui capaz de mantê-la porque normalizei a atração por menores bem rápido. Já conversei com pedófilos mais velhos que acreditam que sua atração secundária não é tão forte quanto antes na vida, devido à fixação na atração menor (exacerbada por auto-ódio e ansiedade). Poderia ter sido diferente se eles tivessem recebido apoio e aprendido habilidades de enfrentamento ainda mais jovens. Eu tinha isso e me beneficiava disso.

Existem alguns pedófilos que acreditam que se sentem atraídos exclusivamente por menores. Esse pode ser o caso, uma vez que há muita variação na maneira como os humanos vivenciam a sexualidade. Ainda assim, muitos adolescentes e jovens adultos, que se sentem atraídos por menores, não têm certeza sobre sua sexualidade. Digo-lhes que o contato sexual em geral pode ser agradável, mesmo com um adulto, e que eles ainda têm a oportunidade de desfrutar dos benefícios de um relacionamento adulto através do comprometimento matrimonial (desde que encontrem um parceiro que os ame como uma pessoa inteira).

Aqui está um ponto chave. Só porque alguém é um pedófilo não significa que ele machucou ou fará mal a uma criança. Significa apenas que eles têm uma atração menor. Estatisticamente, a maioria dos pedófilos não ofende. Equivale a tomar decisões intencionais não baseadas em sentimentos. Todo mundo faz isso … um casal opta por permanecer fiel, um adolescente opta por não ver pornografia, ou uma mulher diz não a um homem que quer sexo no terceiro encontro. A atração sexual apenas “é”; nós, como humanos, decidimos como vamos lidar com isso. Por mais horrível que pareça, é possível para um pai com atração típica reconhecer que sua filha adolescente está se tornando uma mulher, mas ele opta por não nutrir nenhum pensamento sexual em relação a ela. Da mesma forma, uma pessoa que é atraída por menores tem o poder de decidir como vai pensar e agir em relação às crianças. Acontece que os pedófilos são mais propensos a ofender quando existem os fatores de risco adicionais de ódio a si mesmo, depressão e isolamento.

Eu fui abençoado com uma esposa e filhos. Minha esposa sabe da minha atração, e sou totalmente aberto e responsável com ela. Minha família e amigos próximos também sabem. Eu estabeleci o limite de não estabelecer relacionamentos pessoais com crianças fora da minha família. Além disso, optei por não trabalhar com crianças em minha carreira. Gosto de pensar que estou a muitos passos de prejudicar uma criança, mas entre Deus e eu, acredito que esses são bons limites. Viver com pedofilia requer autocompreensão, habilidades de enfrentamento, escolhas intencionais e apoio. Esta é uma fórmula de sucesso para quem enfrenta desafios.

A questão que surgirá será se estou seguro com meus filhos. Eu respondo, sim. Acho que é diferente com seus próprios filhos. Um pai com atração normal não sente por sua filha mais velha o mesmo que sente por outras mulheres. Deve ser algo embutido em nós, humanos. No entanto, existem pais que abusam sexualmente de seus filhos. Acho que isso provavelmente envolve uma análise das decisões pessoais, e não é simplesmente indicativo de pedofilia. No entanto, quanto a mim, mantenho um reconhecimento sóbrio de que sou capaz do mal – o que não acredito que se limite aos pedófilos.

Sei que Deus é real e acredito que Jesus foi Deus em forma de humano, Ele veio para criar um caminho para que sejamos salvos do mal. Eu acredito que Deus terá um relacionamento um a um com qualquer um que o convida. Além disso, quando Jesus morreu e ressuscitou, ele tornou possível para nós ter uma nova vida interior, “nascer de novo”. Essa realidade afetou completamente minha experiência de ser um pedófilo. Se não fosse por Deus, eu teria uma perspectiva diferente. Eu ainda acho que as crianças são prejudicadas pelo contato sexual, mas provavelmente tentaria abraçar a pedofilia e encontrar saídas positivas. Eu acredito que Deus é real, entretanto, e que há mais coisas disponíveis para nós.

Acredito que Deus pode dar a alguém uma vida vitoriosa, mesmo que seja atraída por menores. Isso certamente significa não prejudicar as crianças, mas também significa ter esperança, propósito e amor na vida. Não acho que Deus fica perplexo com a pedofilia, e não acho que um cristão deva esperar menos das promessas de Deus só porque é um pedófilo. Jesus disse que veio para libertar os prisioneiros e para nos dar vida em abundância. Ele venceu o diabo, o mundo e o pecado. Ele pode fazer isso em cada uma de nossas vidas.

Eu ainda tenho uma atração por menores, mas ela não ocupa meus pensamentos e minha vida. Em vez disso, sei que Deus me chamou para algo mais elevado – aquele para o qual todos somos chamados – e prossigo em direção a tudo que Jesus entregou para mim por meio de um relacionamento com ele.

>>Trent Matthew

  

Quando algumas pessoas dão seu testemunho, falam sobre todas as dificuldades que se resolvem no instante em que entregam sua vida a Cristo. Minha história é bem diferente. Deus me colocou no fogo do refinamento para que meu pecado viesse à tona me fazendo reconhecê-lo pela feiura que realmente é. Só depois de ver isso posso ver Jesus tão brilhantemente como o vejo agora.

Nasci no que pensei ser uma família cristã normal. Todos os domingos de manhã íamos à igreja. Eu gostava de Deus, mas não gostava de igreja. Quando eu tinha quatro anos, quebrei acidentalmente o dente do menino do pastor com um yoyo enquanto sua família estava em nossa casa para jantar. Lembro que isso fez meu pai se sentir muito indignado e ele me puniu severamente, embora na época eu não tenha entendido totalmente.

A escola primária foi um desafio para mim. Eu não era como os outros meninos. Eu era baixo para a minha idade, magro e não muito bom em esportes. Não admiti isso para mim mesmo na época, mas por dentro estava profundamente ferido e com raiva. Durante meus primeiros anos na escola, nunca realmente me senti um dos meninos. A escola era uma boa escola cristã, e todos os dias liamos a Bíblia. Um dia, no ônibus da escola para casa, decidi acreditar na mensagem por mim mesmo.

mais

Quando eu tinha 12 anos, comecei a notar algo diferente em mim. Em vez de me sentir atraído por garotas, comecei a me sentir atraído por meus amigos. Eu não tinha ideia do porquê. Uma das minhas memórias mais fortes dessa época foi quando um de meus amigos e eu decidimos ficar nus e assistir TV no andar de baixo de sua casa. Embora não tenha havido contato físico, lembro-me claramente das fortes emoções profundas. O simples fato de estar nu com um dos meus amigos me fez sentir confortável, amado, valorizado e aceitado. Parecia certo.

O ensino médio foi brutal. A raiva de minha mãe com o abuso que ela havia sofrido no passado começou a vir à tona. Ela se tornou quase sociopata e gritava comigo por horas sem motivo aparente. Isso aconteceu durante todo o ensino médio. Quando eu tinha quinze anos, fui batizado. Quando eu tinha dezessete anos, assumi que era gay, mas decidi continuar seguindo o Senhor. Naquele mesmo ano, minha mãe começou a beber e a ficar violenta. Quando contei às pessoas o que estava acontecendo, elas não acreditaram em mim. No entanto, em tudo isso, Deus era meu refúgio.

Concluí o ensino médio e fui para a universidade. Eu queria ser professor de música, então estudei música e depois dei aulas. O segmento de ensino me colocou sob uma enorme pressão. Na escola que me colocaram para ser professor, as crianças eram horríveis. Eu era tratado como lixo quando estava na escola dando aulas e tratado como lixo em casa. Eu chorei muito. Minha vida era horrível.

Um dia depois de ensinar, eu me senti tão pra baixo que não me importava mais. Eu só queria me sentir bem com alguma coisa na vida. Eu estava tão cansado de sentir dor e não sentir nada de bom. Lembrei-me de como era bom estar nu com meus amigos quando tinha doze anos. Eu estava desesperado para reviver o que tinha experimentado, desesperado para me sentir amado e aceito e, em um momento de tolice e fraqueza, abri meu laptop e procurei selfies de adolescentes nus. Depois, me senti tão horrível que simplesmente apagou tudo da minha mente. Para mim, isso nunca aconteceu.

No ano seguinte, tudo na minha vida desmoronou. Alguns anos antes, meu pai teve um relacionamento secreto com uma adolescente da igreja e alguém descobriu. Naquele mesmo dia, meus pais se separaram e eu me afastei de meu pai. Por dias eu me senti mal por causa do choque e do estresse que tudo isso me colocava. Tudo era demais. Foi também nessa época que decidi me mudar. Com o passar dos meses, caí em depressão. Eu estava na escuridão total. Eu me senti amaldiçoado por Deus. Muitas noites eu ficava acordado; completamente imobilizado por causa do medo. Era difícil acreditar que tudo isso estava acontecendo comigo.

Certa noite, eu estava sentado em meu carro estacionado no estacionamento da igreja depois de assistir a um culto noturno no meio da semana. Cheguei ao fim de tudo que fui capaz de suportar. Gritei “Deus, odeio tudo! Eu odeio minha família! Eu odeio ser gay! Eu odeio cristãos que não entendem minha dor! Mas acima de tudo Deus … eu te odeio! ” Então peguei minha faca. Decidi que a única coisa que poderia fazer era me matar apunhalando-me no coração. Mas mesmo isso não seria suficiente. Eu queria me vingar de Deus e matar o máximo de cristãos que pudesse antes de me matar.

De repente, a presença de Deus encheu meu carro e tudo ficou quieto. Nunca antes havia experimentado algo assim. Eu estava com tanto medo que não conseguia me mover ou falar. Mas, ao mesmo tempo, senti que Deus me amava por quem eu sou, não por quem eu estava tentando ser. Quando a presença desapareceu, dirigi para casa perplexo com o que acabara de acontecer.

Desse ponto em diante, as coisas eram diferentes. Eu ainda estava tentando entender o que tinha acontecido. Minha sexualidade não mudou, mas no fundo eu me sentia amado. Por que mais Deus me salvaria? Muito lentamente, fui aprendendo a confiar Nele para tudo.

No final do ano seguinte, concluí minha qualificação como professor e comecei a trabalhar como professor substituto na escola secundária local. Eu era um bom professor e a escola me deu muito trabalho. Eu também amava meus alunos, mas me sentia em conflito por dentro. Todos os dias eu estava lutando uma batalha secreta para manter a escuridão sob controle.

Seis meses depois, tudo desabou. Uma das mães da igreja percebeu que eu era um pouco físico demais como professor de escola dominical. No final da tarde, ela me telefonou e disse que eu não era mais bem-vindo em sua casa. Assim que desliguei o telefone, todas as emoções fortes me atingiram de uma só vez. Lembro-me de olhar para minhas mãos. Eles pareciam as garras de um monstro. Em minha profunda angústia e confusão, fui para o hospital. Contei tudo a eles, mas não recebi nenhum apoio.

Isso deu início a um processo sistemático que me bloqueou de tudo, mesmo que remotamente, relacionado ao trabalho com crianças. Eu sabia que isso iria acontecer, mas ainda doía. Eu me senti tão deprimido. Não tinha trabalho, dignidade, apoio e nenhum lugar para ir. Apenas em parte meu pastor pareceu entender o horror que eu estava passando. Então, quando pensei que não poderia ficar pior, recebi uma acusação falsa pelo correio do Gabinete do Guardião da Criança.

Sentindo-me oprimido, entrei no carro e dirigi. Tudo o que eu queria fazer agora era beber o máximo de vodca que eu pudesse e me suicidar em meu carro com a fumaça do motor. Em retrospecto, definitivamente teria, mas como Deus já havia salvado minha vida antes, decidi continuar confiando Nele. Achei que se Deus pudesse me ajudar a superar uma crise de sexualidade, ele poderia me ajudar a superar outra.

Depois de uma série de cartas para o Guardião das Crianças, a falsa acusação foi retirada. Mas essa negligência cortou fundo. Talvez alguém estivesse contra mim. Nos anos seguintes, estive em turbulência emocional. Pela graça de Deus, as coisas ficaram muito melhores. Por meio de todo esse processo, Deus se mostrou inimaginavelmente fiel e bondoso.

Minha história ainda não acabou. Mas aguardo com grande expectativa o que o futuro reserva. Meu objetivo é glorificar a Deus compartilhando minha história. O sangue de Jesus realmente pode limpar até mesmo as manchas mais escuras. Esta é uma notícia incrivelmente boa para pessoas como eu. Aleluia!

>>Pedro Luiz

  

Já fui uma pessoa normal, com sentimentos normais e uma vida normal. Ainda me lembro do momento da minha infância quando tudo começou a se tornar um pesadelo. Meu pai me abandonou e eu não recebi o amor que esperava do resto de meus parentes. No pior momento da minha infância, quando tudo que eu precisava era amor, fui sexualmente abusado por um parente meu. Eu cresci em meio a toda essa tempestade e quando percebi já estava olhando para as crianças do meu bairro de uma forma diferente. Achei que era só um momento e que tudo se resolveria com o tempo. Mas isso não aconteceu.

Aos 16 anos, aceitei minha condição em silêncio. É importante que você saiba que eu nunca fiz mal a uma criança, nem faria porque sabia que provavelmente eu era quem eu era por causa do que aconteceu comigo, e não poderia desejar algo assim para alguém que eu amava. Isso é interessante na pedofilia … Não se trata apenas de sentimentos sexuais, nós amamos crianças, queremos falar com elas e ficar o dia todo brincando com elas e estar ao seu lado, por isso eu acredito que um verdadeiro pedófilo não pode prejudicar qualquer criança.

mais

Portanto, comecei a me envolver em algumas atividades com crianças, tipo Teatro Infantil, e algumas atividades na minha igreja e assim por diante. Até que percebi que não era um monstro por causa da pedofilia, que poderia ser uma boa pessoa, embora houvesse essa coisa ruim dentro de mim. Cada vez que Deus me ajudou a vencer minhas lutas internas, pude ver que embora tivesse um monstro dentro de mim, ele não me governava. Mas, infelizmente, comecei a ficar deprimido e comecei a questionar Deus sobre o sentido de tudo isso. Por que sou um pedófilo? Qual é a razão de tudo isso? Deus me odeia? O que eu fiz por merecer isso?

Eu me tornei muito suicida e até planejei meu suicídio … No momento mais sombrio da minha vida, ouvi a música “House on a hill” da cozinheira Amanda, e era meio que meu próprio Deus falando comigo através daquela música. Deus me amou. Por quê? Eu não tenho nenhuma ideia.

No entanto, Ele me mostrou por meio de muitos de seus sinais, Ele me mandou para este mesmo fórum, Ele usou pessoas para me ajudar a ver a pedofilia de outra forma, e, na noite do meu suicídio, ele mandou uma pessoa para me ajudar e me dizer que eu não estava sozinho e que ele me amava e não me deixaria morrer. Deus me curou da depressão e me deu uma missão, eu deveria ajudar outros pedófilos a encontrá-lo e serem curados também.

Esta é a mensagem principal do meu testemunho, você deve parar de perguntar a Deus “Por quê?” e começar a perguntar “Para quê?” Deus tem um plano para a nossa vida e pode usar você até como um pedófilo, porque Ele é Deus, e Ele é o único que pode pegar todas as suas peças e transformá-las no mais belo vaso.

Descobri minha missão de pedófilo. Eu sou um brasileiro que sofreu sozinho com a pedofilia. Não há nada como este site em português. No Brasil, as únicas coisas que aparecem quando você pesquisa por pedofilia na internet são coisas do tipo “Um pedófilo preso”, “Como proteger seus filhos dos pedófilos”, “Como reconhecer um pedófilo” e assim por diante … Se eu não soubesse falar inglês, estaria em apuros. Além disso, se considerarmos que pelo menos 1% da população de todo país é composta por pedófilos, só no Brasil, temos mais de 2 milhões de pedófilos. Se considerarmos o número de falantes de português em todo o mundo, esse número é ainda maior. Por esse motivo, após ser curado por Deus, iniciei uma cooperação com os desenvolvedores do Pedófilo Cristão para traduzir este site para o português.

Se você é brasileiro ou falante de português, em breve teremos este site em português e também ofereceremos suporte em português através do contato de e-mail. Também acredito que Deus vai mandar ainda mais gente diferente, de outros países para nos ajudar nessa missão! e tenho certeza que nos céus receberemos nossa recompensa por fazer isso! E sobre você? Por que você não começa a buscar o propósito de Deus em meio a todas as suas tentações?

>>P. Triton

  

Eu vim de um lar estável e amoroso. Meus pais me amavam e cuidavam de mim, tinham um interesse ativo no que eu fazia, mostravam afeto, impunham limites e, acima de tudo, queriam que eu crescesse para ser quem eu queria ser. No entanto, apesar dos esforços de meus pais, minha infância não foi feliz. No ensino fundamental, eu era socialmente desajeitado, tímido e hipersensível. Eu preferia atividades solitárias; comecei desmontando relógios r, e, depois, passei a mexer em computadores. Foi durante a primeira infância que comecei a criar um elaborado mundo de fantasia para o qual escapar.

Comecei a perceber por volta dos 13-14 que, no que diz respeito a sexo e relacionamentos, eu não estava me saindo como meus amigos e colegas porque minhas fantasias de sexo e relacionamento estavam se tornando mais focadas em meninos e menos em meninas. Meus pais me deram um livro sobre educação sexual (eu era um leitor voraz, então eles provavelmente pensaram que essa era uma introdução melhor para todas as mudanças que eu estava passando do que ter ‘aquela conversa’ comigo). No entanto, não havia nada naquele livro – ou em qualquer outro lugar na época – sobre como eu me sentia em relação aos outros meninos. Não houve discussão sobre homossexualidade nas aulas de educação sexual, e acho que a coisa mais difícil para mim durante todo esse período foi o silêncio total sobre o assunto. Na época, eu realmente precisava de suporte, mas não tinha a menor ideia de onde encontrá-lo.

mais

Tentei várias vezes mudar minhas fantasias e sentimentos em relação a outros meninos por meio de uma combinação de obstinação e oração (naquela época eu era ateu). Desnecessário dizer que meus esforços foram um fracasso total. Na verdade, tome cuidado com o que deseja – acontece que desenvolvi atração sexual por garotas novamente, mas não por aquelas da mesma faixa etária, enquanto os sentimentos por garotos permaneceram!

Meus relacionamentos com outras pessoas também eram diferentes dos de meus colegas. Por causa de minha fala sofisticada e amor pela leitura e aprendizagem, adorava a companhia de adultos e suas conversas. Eu gostava de ficar com os adultos depois do jantar, quando meus pais convidavam os amigos para uma noite social em vez de brincar com as outras crianças. E, por outro lado, por causa da minha vida de fantasias e da falta de maturidade emocional, procurei a companhia de crianças mais novas; Eu senti que poderia me relacionar com a forma como eles viam o mundo. Durante a adolescência, minha amizade com meninos mais novos continuou, pois meus colegas arranjaram namoradas e foram embora.

Quando entrei na faculdade, estava profundamente perturbado e deprimido. Não conseguia acompanhar a carga de trabalho, lutava para fazer amigos e me sentia inferior a todos. Consultei um psiquiatra que prescreveu meus antidepressivos (os efeitos colaterais me impediram de usar drogas recreativas pelo resto da vida!). No final, fui reprovado em meus exames. Ninguém conseguia entender o que havia de errado ou por que um jovem que parecia ter tudo a seu favor estava se desfazendo rapidamente. Passava a maior parte do tempo com raiva, carrancudo e retraído. Foi logo após meus exames finais, aos 18 anos, que decidi tirar minha própria vida. Senti que não tinha futuro e que todas as pessoas que conhecia e amava me rejeitariam se descobrissem o que eu era e o que estava passando. Felizmente, por razões que ainda não entendo totalmente até hoje, não fui adiante. Acho que, sem o meu conhecimento, o Deus de quem eu dependeria depois de muitos anos depois estava cuidando de mim agora. Mesmo no pior dia da minha vida, quando eu acreditava que não tinha mais nada pelo que viver, Deus estava comigo e ainda me amava.

Então, aos 18 anos, me assumi para a família e amigos como ‘Gay’; o que não foi um problema para nenhum deles. Mas o problema para mim é que eu não estava dizendo a verdade. Eu não era ‘gay’ como feliz, alegre e livre, e não era ‘gay’ como homossexual. Na verdade, seria mais certeiro dizer que sou bissexual – a dificuldade era (e continua sendo) que minha atração principal não é por minha faixa etária, mas por menores. Na época, essa percepção parecia uma sentença de morte, porque eu não tinha modelos ou palavras positivas para descrever quem eu era ou a que lugar pertencia. Tudo que eu pensava que sabia eram as mensagens que recebia da mídia e da sociedade em geral: que eu era mau, um monstro, e que um dia seria descoberto, morto ou acabaria na prisão.

Com o passar dos anos, tentei me socializar mais, principalmente na comunidade gay local, onde esperava ‘me encaixar’ (de alguma forma!) E talvez encontrar ‘aquele’ que consertaria tudo para mim. Tive algumas experiências muito desagradáveis com abuso sexual e emocional e continuei solitário e isolado. Mas não importa quem, o quê ou quando, nunca foi o suficiente. Eu ficava pensando “quando eu tiver um relacionamento melhor, terminar minha graduação, consiguir um emprego mais bem pago, faço terapia, ganho mais autoconhecimento … então …”, mas nunca conseguia encontrar o que estava procurando. Então, no final, fui ver um capelão no meu local de trabalho. Foi a primeira vez que falei com alguém sobre o que realmente estava passando. Eu disse “Por favor, me ajude”. e disse-lhe tudo. Não foi uma confissão completa, mas o alívio foi enorme. Ele não julgou, apenas ouviu com compaixão. Foi por meio de minhas conversas com ele que passei a acreditar em Deus e comecei a trilhar o caminho da fé cristã. Lembro-me da primeira vez que li Salmos 23: 6, ‘Sua bondade e amor infalível me perseguirão todos os dias da minha vida’. E eu caí chorando porque eu soube pela primeira vez que Deus existia e que Ele me amava – mesmo quando eu estava passando pelas piores coisas da minha vida, Ele ainda estava lá para mim. E percebi então que não precisava mais viver assim.

Sou membro ativo de minha igreja há pouco mais de um ano. Fui batizado na comunidade e na fé há alguns meses. O ministro sabe sobre meu passado e me apóia e me aceita. Faço uma oração no início de cada dia para perguntar qual a melhor forma de servir a Deus e agradeço a Ele à noite por Sua orientação e amor. Meu objetivo é tentar buscar um contato consciente com Deus ao longo do dia por meio da oração e da meditação. Nem sempre tenho sucesso, mas é importante continuar buscando.

Hoje tenho o apoio da minha família e da comunidade de fé por trás de mim. E embora eu ainda esteja tentando descobrir onde Deus quer que eu esteja no mundo, minha esperança é que minha história possa ajudar outras pessoas que ainda estão lutando por acreditar que estão sozinhas. Suponho que vista desta forma, minha história poderia ser condensada em uma única linha:

Você não está sozinho e há esperança.

>>Richard S. K.

  

Eu nunca percebi que minha atração por crianças era sexual até recentemente. Eu era uma criança muito esquisita enquanto crescia, e costumava pensar que minha atração era apenas porque amava vê-los fazer coisas que nunca fiz. Até hoje, tenho quase certeza de que é uma mistura de algo psicológico e sexual. Fiquei deprimido há um tempo e foi aí que encontrei Jesus. A história que me trouxe até Ele foi a história de Jesus curando o paralítico. Jesus disse ao homem: “Filho, os teus pecados estão perdoados” primeiro, antes de dizer: “Levante-se, pegue a sua maca e vá para casa” porque Ele sabia que o maior problema do paralítico não era a sua incapacidade de andar. Era o seu relacionamento quebrado com Deus. E Jesus deu a ele isso: a única coisa que nunca pode ser tirada dele.

A princípio hesitei em dar este testemunho porque sabia que quem o lesse não poderia deixar de reduzir a minha voz à de um pedófilo. Essa atração faz parte de mim, sim, mas sou muito mais do que isso. Aceitei isso como uma parte de mim que me levou a coisas que são boas e ruins, como a maioria das coisas na vida.

mais

Isso me expôs à realidade da falência deste mundo. Eu imagino que bem no fundo de cada um de nós existe uma semente de desespero, cada uma delas de igual peso, e todos nós precisamos desesperadamente de Jesus. A minha e a sua é o fato de sermos desta forma. Mas é aqui que o amor e o sacrifício de Deus se tornam ainda mais inimaginavelmente maravilhosos. Afinal, quanto mais sombria a noite, mais alegre é o nascer do sol. Quanto mais profunda a tristeza, mais doce é a graça. E isso me levou a ser mais compassivo e misericordioso com os outros também. Isso me levou a amá-los (incluindo as crianças) não apenas mais apropriadamente, mas também de forma mais livre e plena.

Deus fez e está fazendo muitas coisas em minha vida. Não tenho pena de mim mesmo, porque é ele, como diz o salmista, que levanta a minha cabeça. Acredito que estou vivendo e viverei uma vida grande, cheia de beleza, tristeza e alegria, que Deus tem para mim.

Que você seja encontrado por Deus, assim como Ele me encontrou em minha hora mais sombria.

>>Brandon Anderson

Não tive uma infância normal. Eu era um solitário e abandonado a minha própria sorte. Na 6ª série, perdi minha avó. Ela era uma das únicas fontes de amor que eu tinha. Fiquei deprimido e suicida. Na 7ª série, na primavera, tentei o suicídio. Mesmo assim, ouvi uma mulher me dizer para escolher a vida e que há esperança. Eu escutei.

Mais de um ano depois, no Impact 2011, eu aceitei a Cristo. Eu me senti tão em chamas, minha fé e todo o conhecimento que eu já tinha simplesmente emergiram.

No entanto, minhas atrações também emergiram. Em 2012, eu me afastei do ministério infantil com o qual eu estava envolvido um ano antes. Eu também fui questionado impiedosamente por meus pais adotivos, meu ex-pastor de jovens, bem como pelo chefe daquele ministério infantil, sobre minhas atrações. Eles acreditavam que eu tinha sido abusado sexualmente.  Eu não sabia se havia sido, eles não acreditaram. Tento não refletir sobre aqueles meses sombrios. Prefiro esquecer essa parte da minha vida.

mais

Dois anos se passaram rapidamente, quando me dei conta já era o verão de 2014. Eu estava sozinho com uma menina de onze anos em uma área isolada da cidade. Correu o boato de que abusei dela de várias maneiras. Nada disso aconteceu entre nós. Apesar disso, fui amedrontado por pessoas desconhecidos. Já fui chamado de “estuprador de crianças”, “pedófilo”, entre outras coisas desumanizantes. Passaram-se meses até que eu parasse de ter pesadelos à noite. Já que suas vozes raivosas pararam de clamar pelo meu sangue. Perdi um amigo e passei meu último ano do ensino médio afastado. Disseram-me que se eu entrasse naquela escola, teria um ano de “inferno em vida”. Eu queria fugir de meus assassinos desconhecidos.

Tentei correr, até mesmo sair da igreja. Mas, como aconteceu com Jesus no jardim, o cálice não passava. Eu suportei, a única razão é porque li Isaías 50. Eu suportei pelo amor de Jesus. Meditei no Salmo 23, confiei em Deus. Se eu fosse assassinado, que fosse. Deus seja louvado!

Quando entrei nos corredores, caminhei e Satanás não me parou. Eu antecipei o inimigo para lutar contra mim. Ele não fez da maneira que eu esperava. Minha luta com ele era toda interna. Já lutei mais contra a tentação, como Pessoa Menor Atraída (PMA), me senti isolado, condenado por esses desejos que nunca pedi ter.

O estigma me afetou, mas eu reagi de pequenas maneiras. Eu me levantei na frente da minha classe falando sobre prostituição infantil e falei sobre predadores. Evitei a palavra ‘pedófilo’ para apontar que um predador seria o condenado e não um pedófilo, pelo menos, não um Celibato ou Pedófilo Virtuoso.

Se eu não tivesse Deus, teria cometido suicídio ou tentado abandonar meu passado. Minha fé é minha salvação. Em minha caminhada com Deus, apeguei-me à obra de Jesus. No Evangelho de João, ele disse: “Não os deixarei órfãos; voltarei para vocês”. Isso me traz conforto, como um menino que nunca teve um pai, nunca teve alguém para se certificar de que estava seguro, agora teria alguma figura masculina será como meu pai. Sou atraido para versículos como João 14:18. Acho reconfortante saber que Deus vai me aceitar, todo o meu eu. É impressionante saber que Deus, que é muito maior do que as pessoas, vai adorar ter até mesmo um pedófilo como seu servo.

Deus nos ajudará a lidar com nossas atrações. Deus nos ajudará a fugir de situações em que tememos falhar (2 Coríntios 10: 11-13). Deus estará conosco pedófilos cristãos. Eu sempre pensei sobre por que Deus me permitiu ser um pedófilo, já que tudo o que Deus faz é bom e ser um pedófilo, bem como ser homossexual, bestial e incestuoso, não é bom, mas é um comportamento imoral. Note que eu não disse que Deus me fez um pedófilo.

Se eu fui criado, por Deus, para ser atraído por menores, então Deus tornou algumas pessoas gays. A Bíblia diz que a humanidade foi feita à Sua imagem (Gênesis 1:27, c.f. Gênesis 9: 6, Salmos 139: 13, Atos 17: 26-28). Todos nós já ouvimos esse versículo: “Deus é luz, nele não há trevas.” (1 Jo. 1: 5).

Freqüentemente, na Bíblia, as trevas se referem ao pecado ou à morte. Em Romanos, Paulo disse que “o salário do pecado é a morte”. A morte e o pecado estão de mãos dadas (Ro. 5:12). Pelo contrário, Deus é vida e justo. Deveríamos ser assim, no começo. O pecado é o que me torna um pedófilo.

Eu vejo ser um pedófilo como uma bênção, mas uma maldição. É uma maldição porque não podemos agir sobre isso ou mesmo “sair” sem ser condenados ao ostracismo. No entanto, é uma bênção ser um pedófilo, porque temos algo com que trabalhar com nós mesmos. Temos um desafio a superar. Greenwood uma vez me disse suas opiniões sobre o cristianismo e a pedofilia. “Por causa do pecado no mundo, cada parte da experiência humana foi quebrada de uma forma ou de outra. Acabou que somos pedófilos… Deus não criou a atração por menores. Ela só pode trazer danos para as crianças e nós … Para sermos livres, temos que morrer com Jesus na cruz, e precisamos de uma nova vida interior. ” Temos que entregar isso a Jesus. Ele nos ajudará a lidar com nossas atrações menores. Ele poderia acabar com as atrações, como fez com os cegos. Ele poderia apenas nos ajudar a manter a vantagem, fortalecendo-nos até o dia da nossa morte. Ele pode fazer o que quiser.

Mas saiba disso, nós temos vitória sobre o pecado. “Através dele, sem pecado, não é por nosso poder”, como canta Stryper em sua canção, “Soldiers under Command”. Em uma das cartas de Paulo, ele falou sobre seu “espinho na carne”. Pessoalmente, acho que nossas atrações podem ser nossos “espinhos na carne”.

Esse relato se encontra em 2 Coríntios 12. Ao partir, quero contar a você o que Deus disse a Paulo. Que você reflita sobre isso, seja encorajado por ele. ‘Mas ele me disse:’ A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. ” (2 Cor. 12: 9a) Eu lhe faço uma oração especial que um amigo me deu ao partir.

Que nosso Gracioso Pai Celestial e Seu Filho Yeshua o abençoem ricamente e continuem a guiá-lo e protegê-lo. Amen

Subscribe to Finding a Way Blog